Parnaso portuguez moderno: precedido de um estudo da poesia moderna portugueza (Google eBook)

Front Cover
Teófilo Braga
F. A. da Silva, 1877 - Brazilian poetry - 319 pages
0 Reviews
  

What people are saying - Write a review

We haven't found any reviews in the usual places.

Common terms and phrases

Popular passages

Page 326 - ALL BOOKS MAY BE RECALLED AFTER 7 DAYS l -month loans may be renewed by calling 642-3405 6-month loans may be recharged by bnnging books to Circulation Desk Renewals and recharges may be made 4 days prior to due date DUE AS STAMPED BELOW UNIVERSITY OF CALIFORNIA, BERKELEY FORM NO. DD6, 60m, 12/80 BERKELEY, CA 94720 RETURN CIRCULATION DEPARTMENT TO...
Page 88 - A vida é o dia de hoje, A vida é ai que mal soa A vida é sombra que foge, A vida é nuvem que voa ; A vida é sonho tão leve Que se desfaz como a neve E como o fumo se...
Page 172 - Como te enganas! meu amor é chama Que se alimenta no voraz segredo, E se te fujo é que te adoro louco . . . És bela — eu moço; tens amor — eu medo! . . . Tenho medo de mim, de ti, de tudo, Da luz, da sombra, do silencio ou vozes, Das folhas secas, do chorar das fontes, Das horas longas a correr velozes.
Page 174 - No fogo vivo eu me abrasara inteiro! Ébrio e sedento na fugaz vertigem, Vil, machucara com meu dedo impuro As pobres flores da grinalda virgem! Vampiro infame, eu sorveria em beijos Toda a inocencia que teu lábio encerra, E tu serias no lascivo abraço Anjo enlodado nos pauis da terra.
Page 173 - Ai ! se eu te visse no calor da sesta, A mão tremente no calor das tuas, Amarrotado o teu vestido branco. Soltos cabelos nas espáduas nuas ! . . . Ai ! se eu te visse, Madalena pura, Sobre o veludo reclinada a meio, Olhos cerrados na volúpia doce, Os braços frouxos — palpitante o seio Ai ! se eu te visse em languidez sublime, Na face as rosas virginais do pejo, Tremula a fala a protestar baixinho.
Page 185 - Aonde o genio das paixões habita. O que eu adoro em ti não são teus seios, Alvas pombinhas que dormindo gemem, E do indiscreto voo duma abelha Cheias de medo em seu abrigo tremem. O que eu adoro em ti, ouve, é tu'alma, Pura como o sorrir de uma criança, Alheia ao mundo, alheia aos preconceitos, Rica de crenças, rica de esperança. São as palavras de bondade infinda Que sabes murmurar aos que padecem, Os carinhos ingenuos de teus olhos, Onde celestes gozos transparecem!...
Page 7 - Quando — ai quando se há-de ela apagar ? Eu não sei, não me lembra: o passado, A outra vida que dantes vivi Era um sonho talvez... — foi um sonho Em que paz tão serena a dormi! Oh! que doce era aquele sonhar... Quem me veio, ai de mim! despertar? Só me lembra que um dia formoso Eu passei... dava o Sol tanta luz! E os meus olhos, que vagos giravam, Em seus olhos ardentes os pus. Que fez ela ? eu que fiz ? — Não no sei ; Mas nessa hora a viver comecei...
Page 45 - Foram séculos mil, foi um momento Que a eternidade fez volver ao nada. Um dia, quem o sabe? um dia, ao peso Dos...
Page 84 - Foi-se-me pouco a pouco amortecendo A luz que nesta vida me guiava, Olhos fitos na qual até contava Ir os degraus do túmulo descendo.
Page 27 - Se espaneja à luz do sol; Lá onde Deus concedera Que em noites de Primavera Se escutasse o rouxinol. Tu vens, ó lua, tu deixas Talvez...

Bibliographic information