Da Asia de João de Barros e de Diogo de Couto, Volume 10 (Google eBook)

Front Cover
Na Regia officina typografica, 1778 - Portuguese
2 Reviews
  

What people are saying - Write a review

We haven't found any reviews in the usual places.

Related books

Other editions - View all

Popular passages

Page xxxi - Mundo, tão desejosas todas de huma perpétua fama, que lhe não fica cousa, que não seja logo por muitos, e vários modos escrita.
Page xx - Âtaíde , de D. Antonio de Noronha , de Antonio Moniz Barreto , de D. Diogo de Menezes, e fegunda vez do Conde D. Luiz de Ataíâe , em que eu militei nefte EJlaao , ejlava prefente nas mais das coufas , em que me achei.
Page xxi - Oriente, em quanto governaram a India Lopo Vaz de Sampaio, e parte de Nuno da Cunha. Lisboa, por Pedro Craesbeeck. 1602. foi.
Page 90 - Decadas", que era muito cavalleiro, tomando o remo em punho, foi demandar os inimigos, e chegando a tiro de berço, lhes deu uma salva de bombardas, com que lhes desaparelhou algumas lanchas. Vendo os inimigos a determinação dos nossos...
Page 179 - Da ilha foram logo vistos, e saíram duas almadias às naus; c, porque não se determinaram serem Portugueses ou Castelhanos, não se ousaram a chegar. D. Jorge lhes mandou capear, com o que uma das almadias se arriscou e chegou a bordo. D. Jorge lhes mandou perguntar pelo capitão de Maluco, e pelo estado em que a nossa fortaleza...
Page 336 - ... vem , no mar tanta tormenta , e perigos , na terra tanto rifco entre pelouros , e fogo : comendo mal , dormindo peior : pelejando todas as horas por honra de leu l)eos , e de feu Rey.
Page 167 - Sumatra, that in the last century some tangible quantity was still sent to China. The export from the Company's plantations in Sumatra averaged 1200 tons, of which the greater part came to Europe, the rest went to China.
Page 179 - Maluco, e pelo estado em que a nossa fortaleza eslava, de que lhe não souberam dar razão, e por anoitecer se afastaram com alguns panos que lhes mandou dar D. Jorge por irem contentes. De noite acalmou o vento, ficando os nossos navios anhotos; porque, como. não havia fundo pera surgir, nem vento para governar, e as águas por entre aquelas ilhas corriam para o levante como a pedra da mão, foram levados até os lançarem fora de todas as linhas em um golfo de mar mui grande, onde lhes deu um...

Bibliographic information