A Cozinha Árabe

Front Cover
Editora Melhoramentos, Jun 1, 2010 - Cooking - 56 pages
Para os árabes, nenhuma comida se compara àquela que se encontra em casa, preparada a gosto de todos e de acordo com as receitas religiosamente preservadas. Neste livro, você encontrar toda a riqueza dessa tradição e descobrir uma arte culinária saudável, variada e de fácil execução. São delícias como a Babaganouche, a Kafta, os Charutinhos de repolho e de uva e doces variadíssimos, além, naturalmente, das receitas dos quitutes mais e conhecidos e apreciados dessa arte culinária: a esfiha e o quibe! Em todas as receitas você encontrará a lista de ingredientes adaptada aos padrões brasileiros, o tempo de preparo e o rendimento de cada prato. O modo de fazer é detalhado, com explicações passo a passo, muitas sugestões e observações interessantes, fotografias em cores e vinhetas.
 

What people are saying - Write a review

We haven't found any reviews in the usual places.

Contents

Algumas palavras iniciais
4
Saladas
17
Legumes verduras e grãos
30
Quibe cru 40 Quibe frito 41 Quibe
43
Copyright

About the author (2010)

Maria Cristina Andersen nasceu na cidade de São Paulo mas atualmente mora no interior do Estado, onde ela e o marido comandam um supermercado e uma padaria. Embora não exista na família a tradição de grandes cozinheiras, todas sempre tiveram mão boa para a cozinha. E Maria Cristina não negou o sangue: também gosta de cozinhar. O primeiro bolo que fez, junto com duas amigas, foi um bolo de laranja, que ficou lindo... mas duro. É que as meninas se esqueceram de pôr o fermento! Cozinhar é uma arte, a arte de extrair dos alimentos seu melhor sabor sem camuflá-los com tantos temperos. Como dizem, é preciso ter mão para ser uma boa cozinheira. Em outras palavras, saber cozinhar é um dom. E esse dom Maria Cristina herdou das mulheres de sua família. De sua avó paterna, herdou o gosto pela delicadeza, por detalhes e pela tradição. Da avó materna, herdou o cuidado com a preservação dos nutrientes e do sabor dos alimentos e também a paciência de cozinhá-los sem pressa. Da mãe, herdou a praticidade, a organização na cozinha e a preferência por cozinhar com pouco tempero para realçar o sabor natural do alimento. O gosto pela culinária árabe veio quando Maria Cristina conheceu o marido, que é de descendência árabe e, além disso, um ótimo gourmet. Com o marido ela aprendeu a fazer a maioria dos pratos que estão neste livro. E agora ela quer compartilhar com seus leitores esse delicioso aprendizado.

Bibliographic information