A conquista: (episodios da vida litteraria).

Front Cover
Laemmert & c., 1899 - 458 pages
 

What people are saying - Write a review

We haven't found any reviews in the usual places.

Selected pages

Contents

Other editions - View all

Common terms and phrases

Popular passages

Page 269 - O' moreno estava nas mesmas condições em que se achava Anselmo: as cabeleiras desafiavam-se. — Eu só corto os cabelos no dia em que me empregar, porque então poderei comprar um travesseiro. — Pois eu vou cortar hoje a minha grenha, porque estou colocado. Podem dispor de mim na Gazeta da Tarde. — E de mim urbi et orbi, disse o moreno. — Mas, que diabo, ainda não fiz a apresentação. Este senhor que aqui está, açafroado e firme nos seus princípios, é Fortunio (*), de Maceió, poeta...
Page 269 - E vendeu-as n'O braço de ouro por mil réis. — E com esse dinheiro comecei a minha vida. — E onde foste morar ? perguntou o Neiva. — Na rua do Regente, com uns amigos de Alagoas. — E ainda mora lá ? perguntou Anselmo. — Não, agora não moro. As casas custam um horror . — O senhor tem um soneto...
Page 265 - Eu mesmo preciso de um homem que me descanse, porque, com essa historia do artigo diario, nem tempo me sobra para cuidar dos interesses da folha. Chego de casa às oito da manhã e aqui fico até às duas da tarde enchendo tiras e aturando um mundo de importunos. Agora com voce aqui a coisa vai ser outra . . . olá ! Escrevo o artigo, entrego-te a folha e vou cuidar da vida. Inclinou-se e, atraindo Anselmo, disse-lhe, como em segredo : Isto é jornal para dar uma fortuna, mas eu não posso fazer...
Page 278 - E das roupas, enfim, livres os corpos saltam, Nenhuma hetera sabe a primorosa taça, Transbordante de Cós, erguer com maior graça, Nem mostrar, a sorrir, com mais gentil meneio, Mais formoso quadril, nem mais...
Page 270 - Sansão faz a sua estréa. Fortunio, placidamente, alisando as calças, perguntou: — Queres um soneto, José? — Não, não quero . . . Este idiota . . . ! pois então eu rejeito versos teus? — Não sei. — Dá cá o soneto, deixa-te de luxos. — Vou escrevel-o, espera.
Page 275 - Antes, porém, vou tirar este peso da consciencia; e metteu os dedos pela gaforinha. — Vamos juntos, convidou Anselmo. — Ao mesmo cabelleireiro! exclamou o Neiva. Vocês entulham o salão. — Uma empada, disse Fortunio, em segredo, a um dos caixeiros. — Vais comer empadas agora ? Olha que perdes o apetite. — Quem me dera ! Ainda que o perdesse elle havia de voltar na manhã seguinte, como o annel de Polycrates.
Page 273 - O povo é barbaro e, como não tem mais as lutas sangrentas, satisfaz-se com as descripções tragicas : o assassinato de um homem, num canto de estrada, sendo descripto com talento, agita mais a massa do que a noticia secca da derrota dum exercito. Mas os meninos não querem comprehender assim, entendem que o noticiario é humilhante e fazem cara quando se lhes pede uma noticia. Pois serei eu o noticiarista. Deixem-me com a gerencia e com o noticiario que, em menos dum anno, ponho ahi um jornal...
Page 286 - Nas fazendas cada negro é um combatente eo exodo aí vem. Quando começar o abandono da terra, não um a um, mas aos bandos, ostensivamente, em face dos senhores que não hão de querer jogar a vida, que há de fazer o governo? Mandar contra os que defendem um direito sagrado a tropa armada? Não! E ainda que mande: conheço o exército, sei que nenhum soldado se prestará a exercer o ofício miserável de capitãode-mato. A Abolição é uma questão vencida.
Page 396 - Vê tu... vou ás estalagens apanhar em flagrante a grande vida das colmeias e, para que a gente não se perturbe com a minha presença, visto-me de carregador, metto-me em tamancos. Subo ás pedreiras, penetro, com risco de vida, as reles tavolagens, passo horas e horas entre a gente tremenda dos trapiches, converso com catraieiros e, finalmente, venho comer nesta baiuca, como vês.
Page 266 - Paulo. — Que discurso ! — Qual ! Foi uma explosão de entusiasmo. — Sim, uma explosão . . . Foi o melhor discurso da noite. Fiquei assombrado, tanto que perguntei ao Sena quem eras e foi ele quem me apresentou. Não te lembras ? — Lembro-me. — Então ? Tens muito talento. Vais fazer um carreirão. O diabo é a Cascadura... — Mudo-me. Um rapaz apareceu à porta e Patrocínio, encarando-o, perguntou: — Que é ? — O artigo . . . — Tem muita pressa ? Pois eu não tenho. Quando estiver...

Bibliographic information