Feira dos anexins: obra posthuma

Front Cover
A.M. Pereira, 1875 - Portuguese language - 222 pages
0 Reviews
 

What people are saying - Write a review

We haven't found any reviews in the usual places.

Selected pages

Other editions - View all

Common terms and phrases

Popular passages

Page xxii - Manoel Godinho, nas suas Relações, fala do encontro com o poeta n'este tempo, n'aquella corte: «Fui logo visitado do Senhor Dom Francisco Manoel: o qual com o nome supposto de Monsieur Chivallier de S. Clement, passava a Roma recommendado a todos os Principes e Republicas amigas por cartas patentes dos Senhores Reis de Inglaterra e França.
Page xxii - ... tem feito o mundo todo, quem de seu primor estiver obrigado como eu o estou ; porque todas estas cousas juntas foram os motivos de meu gosto naquella visita.
Page xlv - Nuevo la vi. D. João iv, querendo provar a fidelidade de D. Francisco, persuadiu a condessa que o tentasse. D. Francisco Manuel, para lisongeal-a, disse que seguiria o partido de Castella. Foi preso. Assim m'o revelou o conde de S. Lourenço l.
Page xxxi - Nunca aqui chegou ninguem», E do vosso natural Nada vos parece bem. Em fim que por natureza E constelação do clima, Esta Nação Portugueza O nada Estrangeiro estima, O muito dos seus despreza. Vendo...
Page 124 - Dê-se a Deus o que é de Deus, ea Cesar o que é de Cesar. » Neste terreno é apresen tada, como devendo dimanar destas conclusoes a incompetencia do Supremo Tribunal de Justiça. E...
Page xxxii - Tão constantes sois, e mais, Na praga, e murmuração Para os vossos naturaes. Se um Estranho á Terra vem Dizeis todos em geral, «Nunca aqui chegou ninguem», E do vosso natural Nada vos parece bem.
Page v - ... dramatico, cousa a mais difficil talvez neste genero de litteratura, e de que tão arredios andam os que ora o começam a cultivar entre nós, embuidos dos...
Page 25 - ... as orelhas a quanto ouvem. — De eu não ter dado orelhas ao que tenho ouvido, torço a orelha e não me deita sangue ; que se eu soubera, que me havia de chegar até as orelhas o presente empenho em que estou, eu arribitaria as orelhas a repentes, ea chistes, que por brincos podiam trazer-se nas orelhas.
Page 195 - Porque (responderam elles) vossés nunca viram presentes de figos passados, que vem do Algarve? Algumas de vossês levam-nos as lampas em tempo de figos ? Nem ainda as frtictas verdes pela vindima, pois chegou a dizer o texto das velhas, «que quando ha figos não ha amigos».
Page 61 - Porque não sei que almas christãs haverá, que aturem a sua arenga : em começando, agonia-se-me a alma.

Bibliographic information