A imprensa carnavalesca no Brasil: um panorama da linguagem cômica

Front Cover
Hedra, 2000 - Brazilian literature - 215 pages
0 Reviews
Com um misto de erudição e graça, Tinhorão - após a leitura de mais de 200 publicações carnavalescas, como as 'Farpas fenianas', 'O azucrim', 'O diabo da meia-noite', 'O philomomo', 'O facho da civilização'... - retrata os momentos dessa história em que o riso foi instrumento para corrigir os costumes - 'ridendo castigal mores'. E assinala que, antecipando as formulações de Bakhtin sobre o contexto de Rabelais, um jornal de sociedade carnavalesca no Brasil já propunha a 'carnavalização da república'. Da Idade Média ao Carnaval brasileiro, diversas formas de fazer rir viriam a se transformar em literatura, com a domesticação de sua malícia, e a constituir a tradição da imprensa carnavalesca no Brasil, cuja espirituosidade viraria cinza com o fascínio da modernização.

What people are saying - Write a review

We haven't found any reviews in the usual places.

Contents

A palavra culta e do culto cristão e a fala das ruas
15
A dessacralização da palavra ritual
23
A laicização da escrita o macarrónico e o texto cómico
33
fatrasie o coqàlâne o anfiguri ditos e represálias e
49
O convite à folia dos pufes e versos de carnaval
87
Os desfiles de clubes e o Ridendo castigai mores
101
A originalidade brasileira dos jornais carnavalescos
111
A imprensa carnavalesca e a tradição pasquineira
119
A domesticação da malícia escatológica e o fim
153
Fontes e bibliografia
201
índice remissivo
211
Copyright

Other editions - View all

Bibliographic information