Conflito e unidade no neo-realismo português: arqueologia de uma problemática

Front Cover
Campo das Letras, 2002 - Portuguese literature - 303 pages
Os textos que constituem o presente volume foram publicados dispersamente desde 1979, mas propõem uma hipótese interpretativa global para o que se chamou neo-realismo. Essa hipótese assenta, por um lado, nos modos de recepção do marxismo e, por outro, no trabalho da compatibilização desse(s) marxismo(s) com uma prática artistica que se pretendia revolucionária. A investigação desenvolvida a partir de uma tal hipótese conduziu a algumas conclusões, certamente provosórias mas conformadoras de novas análises de aspectos parcelares no interior do(s) neo-realismo(s) e, sobretudo, de uma concepção global porventura mais ampla e mais precisa da própria noção de neo-realismo: o espaço estético, político e filosófico neo-realista nasceu e permaneceu aberto pela tensão entre duas concepções extremas dos elementos constituintes daquele duplo processo. Estamos, de facto, em presença de tomadas de posição divergentes na arte, na cultura e no marxismo - mas (dificilmente) unificadas pelos efeitos de uma sobredeterminação política

From inside the book

What people are saying - Write a review

We haven't found any reviews in the usual places.

Contents

Prefácio
7
Realismo Português de Carlos Reis
13
Grupo NeoRealista de Vila Franca de Garcez da Silva
26
Copyright

7 other sections not shown

Common terms and phrases

Bibliographic information