Diccionario da lingua tupy: chamada lingua geral dos indigenas do Brazil

Capa
F.A. Brockhaus, 1858 - 191 páginas
0 Resenhas
 

O que estão dizendo - Escrever uma resenha

Não encontramos nenhuma resenha nos lugares comuns.

Páginas selecionadas

Outras edições - Visualizar todos

Termos e frases comuns

Passagens mais conhecidas

Página 181 - Ferreira) são cestinhos que fazem os gentios do Rio Branco, e trazem, como os soldados as patronas, servindo-lhes de bandoleiras, cordões de algodão tingidos de urucú. São tecidos das cascas dos talos da planta guarumá, e servem-lhes para guardar o urucu, colares, braceletes e suas curiosidades.
Página 136 - ... peteca é, pois, a batida, tangida, a péla". Gonçalves Dias estendia-se: — "Encontramos esta expressão em algumas frases, no sentido de bater, Coba-peteca, bater no rosto, esbofetear; nana peteca, lavar roupa, mas lavar batendo, e não somente esfregando. Daqui vem chamar-se peteca a espécie de volante ou supapo, feito de folhas de milho, que as crianças lançam ao ar com a palma da mão. Daqui, por fim, se originou a frase, hoje vulgar, fazer peteca de alguém.
Página 89 - ... que extrahem da arvore — Cumaty, que é melhor. Os pescadores mettem as linhas, com que hão de pescar, no sueco resinoso, que 'extrahem da entrecasca desta arvore, afim de se lhe não desgastar tão depressa, como lhes succede quando lhes não fasem esta mão de obra.
Página 114 - ... tempos, como iremos vendo. E todos, os verbos se negão da mesma maneira. E notese que as negações começão...

Informações bibliográficas