Fabulas e apologos: escolhidos, coordenados e prefaciados por Olympio de Freitas [pseud.].

Front Cover
imp. Horas Romanticas, 1886 - 63 pages
0 Reviews
 

What people are saying - Write a review

We haven't found any reviews in the usual places.

Selected pages

Common terms and phrases

Popular passages

Page 35 - N'um poço d'agua abundante ; Chegou um Lobo arrogante Que passava acaso e viu, De urna polé pendurava (Porque o poço era profundo) Uma corda, a qual atava Dois baldes ; um, no alto estava, N'outro a Raposa no fundo. Pois a bicha que era arteira Chama o Lobo e diz : — Senhor, Já que eu não fui a primeira Soccorrei vossa praceira, Que eu sei que tendes valor.
Page 41 - Ali a que d'antes era Qual mansa pomba sem fel, Pelo exemplo estimulada, Aprendeu a ser cruel. Apenas lhe parecia Ter feito já digestão, Eis prompta a comadre ovelha Para a sanguinea funcção. Se, vendo as...
Page 34 - Dizem que lhe deu na cabeça Fazer uma prégação. Creio que seria o thema Indigno de se tratar ; Mas isso pouco importava, Porque o ponto era gritar. Teve mil vivas, mil palmas, Proferindo á bocca cheia Sentenças de quinze arrobas, Palavras de legua e meia. Isto aconte'ce ao poeta, Orador, e outros que taes Nescios, o que entendem menos, E
Page 17 - Faço até um juramento, Pago-lhe, seja o que for ! — Mas, pergunta-lhe a formiga, O que fez durante o estio? — Eu... cantar ao desafio.
Page 42 - A natureza me instiga, E devo dar-lhe attenção: Está primeiro que tudo A propria conservação. «Tu, virtude, és attributo Pos homens, dos racionaes ; Não me pertences : eu sigo Meu instincto, e nada mais.
Page 45 - Por esta vez, e nào mais, Diz a velha impaciente, «Quero ceder aos teus ais. «Do que tu mesmo approvaste «Nas três formas que te dei, «Para teu consolo baste, «Que esta final te armarei; «Terás as visagens ricas, «O papagaiai pairar; «Do pavão as galas ricas... «Pegar no espelho! mirar!
Page 15 - Tendo a cigarra em cantigas Folgado todo o Verão, Achou-se em penúria extrema Na tormentosa estação. Não lhe restando migalha, Que trincasse, a tagarela Foi valer-se da formiga, Que morava perto dela. Rogou-lhe, que lhe emprestasse, Pois tinha riqueza, e brio, Algum grão, com que manter-se Té voltar o aceso Estio. «Amiga (diz a cigarra) Prometo à fé de animal Pagar-vos antes de Agosto Os juros, eo principal.
Page 57 - ... até que um dia viu de monos urna aldeia (era quasi sol posto). Atrepou a um coqueiro, e com sonora voz desatou a pregar ao som de mil gemidos: — «¡Macacos, o meu mal seja um bem para vos ! «horrorise os bonspaes, atterre os bons maridos, «os pródigos converta: a vista ponde em mim; «das coisas no principio está d'ellas o fim.
Page 41 - Nelas entrava a roer. Contemplando o fero mestre No pervertido animal Os progressos, que fazia A sua escola brutal. De prazer, e de vaidade Lhe pulava o coração, E tinha à sua educanda Cada vez mais afeição.
Page 56 - E' o Éden macacal na abundancia e recreio. jQue lhes falece? nada; a bondade, a affeição, lhes sobredoira a paz da estreita solidão. Uma sesta, que ao sol estava dormitando toda a hirsuta familia esmoendo o jantar, um saguim caçador, estafado e suando, quiz o acaso que errante ali viesse dar.

Bibliographic information