Flores de poetas e prosadores que

Capa
Typ. da Companhia nacional editora, 1898 - 127 páginas
0 Críticas
As críticas não são validadas, mas a Google verifica a existência de conteúdo falso e remove-o quando é identificado
 

Opinião das pessoas - Escrever uma crítica

Não foram encontradas quaisquer críticas nos locais habituais.

Páginas seleccionadas

Passagens conhecidas

Página 23 - Daquelles de quem sois senhor superno: E julgareis qual é mais excellente, Se ser do mundo Rei, se de tal gente.
Página 65 - No me mueve, mi Dios, para quererte, el cielo que me tienes prometido, ni me mueve el infierno tan temido para dejar por eso de ofenderte.
Página 91 - Alma minha gentil, que te partiste Tão cedo desta vida, descontente, Repousa lá no Céu eternamente E viva eu cá na terra sempre triste.
Página 84 - Alerta, disse, estai, que o vento crece Daquella nuvem negra, que apparece. 71 Não eram os traquetes bem tomados, Quando dá a grande e subita procella: Amaina, disse o mestre a grandes brados, Amaina, disse, amaina a grande vela.
Página 23 - Cessem do sábio Grego e do Troiano As navegações grandes que fizeram; Cale-se de Alexandre e de Trajano A fama das vitórias que tiveram; Que eu canto o peito ilustre Lusitano, A quem Neptuno e Marte obedeceram. Cesse tudo o que a Musa antiga canta, Que outro valor mais alto se alevanta.
Página 89 - Assi contava, e c'hum medonho choro Subito d'ante os olhos se apartou; Desfez-se a nuvem negra, e c'hum sonoro Bramido muito longe o mar soou.
Página 86 - Já a manhãa clara dava nos outeiros, Por onde o Ganges murmurando soa, Quando da celsa gavea os marinheiros Enxergaram terra alta pela proa. Já fóra de tormenta, e dos primeiros Mares, o temor vão do peito voa: Disse alegre o piloto Melindano, «Terra he de Calecut», se não me engano. XGIII Esta he por certo a terra que buscais, Da verdadeira India, que apparece; E se do mundo mais não desejais, Vosso trabalho longo aqui fenece.
Página 97 - Mais elle était du monde où les plus belles choses Ont le pire destin ; Et rose elle a vécu ce que vivent les roses, L'espace d'un matin.
Página 88 - Eu sou aquelle occulto e grande Cabo, A quem chamais vós outros Tormentorio, Que nunca a Ptolomeo, Pomponio, Estrabo, Plinio, e quantos passaram, fui notorio: Aqui toda a Africana costa acabo Neste meu nunca visto promontorio, Que para o polo Antarctico se estende. A quem vossa ousadia tanto offende.
Página 87 - Que pôs nos corações um grande medo; Bramindo, o negro mar de longe brada, Como se desse em vão nalgum rochedo. — Ó potestade, disse, sublimada: Que ameaço divino ou que segredo Este clima e este mar nos apresenta, Que mor cousa parece que tormenta?

Informação bibliográfica