Gênio: os 100 autores mais criativos da história da literatura

Front Cover
Objetiva, 2002 - Genius - 828 pages
Uma seleção de 100 grandes escritores celebrados por Harold Bloom como mentes brilhantes da criação literária 'Um gigante entre os críticos... SEu entusiasmo pela literatura é contagiante.' New York Times Sunday Magazine 'Um mestre do entretenimento.' Newsweek 'Bloom é simplesmente um sacerdote da grandeza humana.' The Irish Times O que é um gênio? A resposta a esta pergunta pode enveredar por inúmeros e complexos significados. PAra organizar a antologia Gênio, que reúne cem nomes essenciais da literatura mundial de todos os tempos, o crítico americano Harold Bloom lançou mão de uma definição estritamente pessoal do conceito de genialidade. PAra ele, fundamentalmente, consciência é o que define o gênio: 'Todas as mentes criativas exemplares aqui incluídas contribuíram para a expansão da consciência dos respectivos leitores e ouvintes. AS questões que devemos colocar a qualquer escritor são as seguintes: ele ou ela alarga a nossa consciência? E como isso se dá? Sugiro um teste simples, mas eficaz: fora o aspecto do entretenimento, a minha conscientização foi aguçada? Expandiu-se a minha consciência, tornou-se mais esclarecida? Se não, deparei-me com talento, e não com gênio. AQuilo que há de melhor e de primordial em mim não terá sido tocado', esclarece Bloom. COm a escrita sensível de um leitor apaixonado e a argúcia crítica de estudioso erudito, Harold Bloom nos leva a uma fascinante viagem pelo mundo da literatura, contemplando-nos com visões originais de textos consagrados. DEsde a Bíblia até Sócrates, passando pelos feitos transcendentais de Shakespeare e Dante, até chegar a Machado de Assis, Faulkner e Hemingway, Bloom atravessa séculos, apontando insuspeitas analogias entre os gênios por ele selecionados, as surpreendentes influências que se estabeleceram ao longo do tempo. ÚNico brasileiro a figurar na privilegiada coletânea Machado de Assis é incluído na série de escritores que Bloom classifica 'como mestres da narrativa erótica', da qual fazem parte também Flaubert, Eça de Queirós, Jorge Luiz Borges e Italo Calvino. A Genialidade de Machado', argumenta o crítico, 'é manter o leitor preso à narrativa, dirigir-se a ele frequentemente e diretamente, ao mesmo tempo em que evita o mero realismo (que jamais é realista)'. DA obra machadiana, Harold Bloom aponta o romance Memórias póstumas de Brás Cubas como o seu favorito: 'O livro é cômico, inteligente, evasivo, uma leitura prazerosa, oração após oração. O Gênio de Machado nega qualquer páthos, ao mesmo tempo em que subverte todos os supostos valores e princípios, bem como a suposta moral.' Ao longo de meio século de ensino de literatura e produção bibliográfica, Bloom vem cativando leitores com a generosa partilha de sua erudição, em textos que encantam pela clareza, inteligência e sensibilidade. GÊnio é obra de referência indispensável a todos os que desejam ter uma visão ampla do melhor da literatura de todos os tempos.

What people are saying - Write a review

We haven't found any reviews in the usual places.

Bibliographic information