Obras completas de Luis de Camões, correctas e emendadas pelo cuidado e diligencia de J. V. Barreto Feio e J.G. Monteiro ...: Os Lusiadas

Voorkant
Baudry, 1843
1 Reviewen
Reviews worden niet geverifieerd, maar Google checkt wel op nepcontent en verwijdert zulke content als die wordt gevonden.
 

Wat mensen zeggen - Een review schrijven

We hebben geen reviews gevonden op de gebruikelijke plaatsen.

Geselecteerde pagina's

Overige edities - Alles bekijken

Populaire passages

Pagina 135 - A formosura desta fresca serra E a sombra dos verdes castanheiros; O manso caminhar destes ribeiros Donde toda a tristeza se desterra; O rouco som do mar, a estranha terra, O esconder do Sol pelos outeiros, O recolher dos gados derradeiros, Das nuvens pelo ar a branda guerra; Enfim, tudo o que a rara Natureza Com tanta variedade nos ofrece, Me está, se não te vejo, magoando.
Pagina 12 - Alma minha gentil, que te partiste Tão cedo desta vida, descontente, Repousa lá no Céu eternamente E viva eu cá na terra sempre triste. Se lá no assento etéreo, onde subiste, Memória desta vida se consente, Não te esqueças daquele amor ardente Que já nos olhos meus tão puro viste.
Pagina 67 - Que inda a longa memória que me alcança, Me não deixa de vós fazer mudança, Mas quanto mais me alongo mais me achego. Bem poderá...
Pagina 309 - A vida, o sol ardente, as águas frias, Os ares grossos, férvidos e feios, Mas os meus pensamentos, que são meios Para enganar a própria natureza. Também vi contra mim, Trazendo-me à memória Alguma já passada e breve glória Que eu já no mundo vi, quando vivi, Por me dobrar dos males a aspereza, Por mostrar-me que havia No mundo muitas horas de alegria.
Pagina 357 - Manuel de Portugal? Imitando os espritos já passados, gentis, altos, reais, honra benigna dais a meu tão baixo quão zeloso engenho. Por Mecenas a vós celebro e tenho; e sacro o nome vosso farei, se algúa cousa em verso posso.
Pagina 97 - Errei todo o discurso de meus anos; dei causa a que a Fortuna castigasse as minhas mal fundadas esperanças. De amor não vi senão breves enganos. Oh! quem tanto pudesse que fartasse este meu duro génio de vinganças!
Pagina 4 - Que dois mil acidentes namorados Faça sentir ao peito que não sente. Farei que amor a todos avivente, Pintando mil segredos delicados, Brandas iras, suspiros magoados, Temerosa ousadia e pena ausente. Também, senhora, do desprezo honesto De vossa vista branda e rigorosa Contentar-me^ei dizendo a menor parte.
Pagina 8 - Mas esta linda e pura semideia, Que, como o acidente em seu sujeito, Assi com a alma minha se conforma, Está no pensamento como ideia; E o vivo e puro amor de que sou feito, Como a matéria simples busca a forma.
Pagina 23 - Alegres campos, verdes arvoredos, claras e frescas águas de cristal, que em vós os debuxais ao natural, discorrendo da altura dos rochedos; silvestres montes, ásperos penedos, compostos em concerto desigual, sabei que, sem licença de meu mal, já não podeis fazer meus olhos ledos.
Pagina 94 - Os olhos onde o casto Amor ardia. Ledo de se ver nelles abrazado; O rosto onde com lustre desusado Purpurea rosa sobre neve ardia; O cabello, que inveja ao sol fazia, Porque fazia o seu menos dourado; A branca mão, o corpo bem talhado, Tudo aqui se reduz a terra fria. Perfeita formosura em tenra idade, Qual flor, que antecipada foi colhida, Murchada está da mão da morte dura. Como não morre Amor de piedade? Não della, que se foi á clara vida; Mas de si, que ficou em noute escura.

Bibliografische gegevens