Rainhas:

Front Cover
Clube de Autores, Sep 3, 2012 - Biography & Autobiography - 144 pages
O papel político de mulheres da Idade Média evidenciou-se entre uma pequena minoria, dentro e fora da Europa, representado por grandes damas ou rainhas. A influência feminina, aparentemente reduzida no plano político no transcurso dos primeiros séculos do período medieval, alcançou o seu apogeu nos séculos X e XI e decresceu nos séculos seguintes. Teodora reina em Bizâncio nos tempos em que o poder militar, a ordem da administração, a riqueza pública e o brilho das artes ocultam ainda os germes da ruína do vasto Império Romano; formado por elementos díspares, governado sob a máscara das leis romanas, pelo despotismo oriental, cujo povo, alienado de seus direitos, só se interessa pelas questões teológicas e pelas corridas no Hipódromo de Constantinopla. As rainhas ibéricas Urraca e Teresa não mereceram de seus cronistas qualquer espécie de adulação, conforme o foram outros em relação àquelas europeias que primaram pela virtude como fundadoras de monastérios e às santas dinásticas. Estamos em outro espaço abalado por interesses singulares. Geralmente, os atos das mulheres são sistematicamente vilipendiados. Disse Karl Kaustsky n’A Origem do Cristianismo: “Se desejamos entender as concepções características de uma época particular e distingui-la de outras épocas, devemos, antes de tudo, estudar as necessidades e os problemas peculiares do período, que resultam, antes de tudo, no modo de produção, pelo qual a sociedade sustenta sua vida”.

What people are saying - Write a review

We haven't found any reviews in the usual places.

Bibliographic information