São Bernardo: a novel

Front Cover
Taplinger Pub. Co., 1979 - Literary Criticism - 156 pages

From inside the book

What people are saying - Write a review

User Review - Flag as inappropriate

* Na ponta da língua
* Livros
* Banco de Questões
* Sala de aula
* Cursos de Apoio
* Vestibular
* Notícias
* Simulados on-line
* Livros obrigatórios
* Faculdades
* Provas de vestibulares
* Profissões
* ENEM
* ProUni
* Saiba mais
* Arte e cultura
* Atualidades
* Biografias
* Fatos históricos
* Povos e Países
* Você sabia
HomeAnálises CompletasDownloadsResumos comentados
Análises completas
São Bernardo, de Graciliano Ramos
Recomende esta página para um amigo
Versão para impressão
Análise da obra
Publicado em 1934, São Bernardo está entre o que de melhor o romance brasileiro produziu. Num primeiro instante pode até parecer uma história de vitória de seu narrador-protagonista, Paulo Honório, que foi de guia de cego na infância até se tornar latifundiário do interior de Alagoas. No entanto, a questão principal é muito mais aguda e amarga.
Para alcançar sua ascensão social, o narrador paga um preço altíssimo, que é a destruição do seu caráter afetivo. Na verdade, a perda de sua humanidade pode ser entendida como fruto do meio em que vivia. Massacrado por seu mundo, acaba tornando-se um herói problemático, defeituoso (parece haver aqui um certo determinismo, na medida em que o homem seria apresentado como fruto e prisioneiro das condições mesológicas).
Há um aspecto que atenta contra a sua verossimilhança, que é um célebre problema de incoerência: como um romance tão bem escrito como pôde ter sido produzido por um semi-analfabeto como Paulo Honório. É uma narrativa muito sofisticada para um narrador de caráter tão tosco.
Quando se menciona que a narrativa é sofisticada, não se quer dizer que haja rebuscamento. A linguagem do romance, seguindo o estilo de Graciliano Ramos, é extremamente econômica, enxuta, mas densa de beleza.
Outra beleza pode ser percebida pela maneira como o tempo é trabalhado. Há o tempo do enunciado (a história em si, os fatos narrados) e o tempo da enunciação (o ato de narrar, de contar a história). O primeiro é pretérito. O segundo é presente. Mas há momentos magistrais, como os capítulos 19 e 36, em que, em meio à perturbação psicológica em que se encontra o narrador, os dois acabam-se misturando.
Todos esses elementos, portanto, fazem de São Bernardo uma obra do mais alto quilate, facilmente colocada entre os cinco melhores romances de nossa literatura.
Enredo
Paulo Honório, homem dotado de vontade férrea c da ambição de se tornar fazendeiro, depois de atingir seu objetivo, propõe-se a escrever um livro, contando a se vida, de guia de cego a senhor da Fazenda São Bernardo,
Movido mais por uma imposição psicológica, Paulo Honório procura uma justificativa para o desmoronamento da sua vida e do seu fracassado casamento com Madalena, que se suicida.
No livro, ao mesmo tempo em que faz o levantarnento existencial de uma vida dedicada à construção da Fazenda São Bernardo, Graciliano Ramos desnuda o complexo destrutivo que Paulo Honório representa:
Cinqüenta anos! Quantas horas inúteis! Consumir-se uma pessoa a vida inteira sem saber por quê! Comer e dormir como um porco! Como um pomo! Levantar-se cedo todas as manhãs e sair correndo, procurando comida! E depois guardar comida para os filhos, para os netos, para muitas gerações. Que estupidez! Que porcaria! Não é bom vir o diabo e levar tudo?
Comentários
São Bernardo é um romance de confissão, aparentado com Dom Casmurro. Narrado em primeira pessoa, é curto, direto e bruto. Poucos, como ele, serão tão honestos nos meios empregados e tão despidos de recursos; e esta força parece provir da sólida unidade que o autor lhe imprimiu. As personagens e as coisas surgem como meras modalidades do narrador, Paulo Honório. ante cuja personalidade dominadora se amesquinham, frágeis e distantes. Mas Paulo Honório, por sua vez
 

Contents

Section 1
5
Section 2
8
Section 3
10
Copyright

9 other sections not shown

Other editions - View all

Common terms and phrases

About the author (1979)

Ramos was one of many leftist intellectuals purged by President Getulio Vargas's government during the 1930s. Barren Lives (1938) examines the psychology of poverty during the drought in the interior of northeastern Brazil. The novel is narrated through the minds of several members of a family who, due to their lack of education and primitive natures, rarely communicate verbally. Of Ramos's technical accomplishments, Morton Zabel wrote in The Nation, "Graciliano Ramos is notable among the contemporary Brazilian writers for a severity of style, an accuracy of social and moral observation, and an intensity of tragic sensibility which derive as much from fidelity to native experience as from the stylists---Proust, Joyce and more relevantly, Celine---whom his American publisher mentions as models.

Bibliographic information