A prisão e a ágora: reflexões em torno da democratização do planejamento e da gestão das cidades

Front Cover
Bertrand Brasil, 2006 - City planning - 632 pages
0 Reviews
A Prisão e a Ágora, novo livro de Marcelo Lopes de Souza, versa sobre planejamento urbano, mas não do ponto de vista da adequação dos usos do solo ou da estética das paisagens — não propriamente inúteis em si mesmas, mas tão amiúde a serviço da segregação, do controle social e da alienação —, e sim das relações de poder inscritas no espaço e implicadas na produção do espaço. PLanejar e gerir uma cidade não significam, apenas, planejar e gerir coisas, mas sim, acima de tudo, planejar e gerir relações sociais. SEja para amenizar o embrutecimento representado e condicionado pelas cidades atuais, seja para conquistar cidades substancialmente diferentes e mais justas, é preciso refletir e agir levando em conta o que mais importa: a dinâmica das relações sociais, em especial a dinâmica das relações de poder, e os vínculos disso com o espaço, na sua dupla qualidade de produto e condicionante das relações sociais. A Escala local, certamente, é privilegiada na análise, mas privilégio não quer dizer exclusividade: os problemas que se manifestam localmente não se deixam explicar somente por fatores de abrangência local, e vencer desafios locais depreende, cada vez mais, saber enfrentar desafios também em outras escalas. A PRisão e a Ágora trata, pragmaticamente, tanto da falta de liberdade e as restrições crescentes à liberdade efetiva, no cotidiano das grandes cidades contemporâneas (metáfora da “prisão”), quanto das possibilidades de se tentar ampliar os espaços democráticos mesmo em meio a condições estruturais adversas, embora contando com ventos conjunturalmente favoráveis. MAs não se quer, aqui, ser um mero “consultor para desenvolvimento com horror mínimo”, quimera de um “progressismo” de curto fôlego e ainda mais curta visão. NÃo se perde de vista um horizonte utópico por se tentar ser, também, pragmático; não se deseja confundir estratégia e tática, estrutura e conjuntura, longo (ou longuíssimo) prazo e curto prazo. REpetindo as palavras com as quais se encerra a Conclusão do livro, “fica a pergunta derradeira, para todos aqueles envolvidos com o estudo, o planejamento e a gestão das cidades: com o que se vai querer colaborar — com a legitimação e a produção das ‘prisões’... Ou com a construção das novas ‘ágoras’ e de um mundo que as torne possíveis?...”.

From inside the book

What people are saying - Write a review

We haven't found any reviews in the usual places.

Contents

de novo essa história de participação
9
Agradecimentos
15
A abordagem autonomista do desenvolvimento
31
Copyright

18 other sections not shown

Common terms and phrases

Bibliographic information