A violência revolucionária em Hannah Arendt e Herbert Marcuse: raízes e polarizações

Front Cover
Unesp, 2005 - 191 pages
0 Reviews
Partindo das concepções filosóficas distintas de Hannah Arendt e Hebert Marcuse, Maria Ribeiro do Valle nos oferece amplo subsídio para o aprofundamento da questão sobre o uso da violência para a transformação da sociedade. A autora busca os fundamentos epistemológicos que nortearam as reflexões de Arendt e Marcuse sobre contestação estudantil nos anos 1960 – resgatando, neste percurso, o pensamento de Tocqueville, Hegel e Marx –, e detalha os posicionamentos teóricos e políticos dos dois pensadores. O resultado é um reflexão que, além de colocar a questão social no centro do problema politico, possibilita pensar criticamente o mundo contemporâneo.

What people are saying - Write a review

We haven't found any reviews in the usual places.

Bibliographic information